26 de fevereiro de 2015

Cabo do Exército é preso por embriaguez e direção perigosa.

Polícia encontrou várias latinhas de cerveja no carro  (Foto: Neidiana Oliveira/G1)
Polícia encontrou várias latinhas de cerveja no carro
(Foto: Neidiana Oliveira/G1)
Segundo a PM, militar dirigia em alta velocidade; cerveja foi encontrada.
Caso ocorreu na manhã desta quinta-feira (26), no Centro de Boa Vista.

Neidiana Oliveira
Do G1 RR
Boa Vista (RR) - Um cabo do exército, de 27 anos, foi autuado em flagrante na manhã desta quinta-feira (26), por embriaguez ao volante e direção perigosa. De acordo com a Polícia Militar, a equipe do Ronda no Bairro foi acionada por volta das 6h40, para verificar a situação de um veículo que estava em alta velocidade no Centro de Boa Vista.
Conforme testemunhas, o carro seguia pela Avenida Getúlio Vargas e fez o contorno, em alta velocidade, pela Rua João Pereira de Melo, e bateu duas vezes no meio-fio. "O carro rodou na pista, parou na contramão no meio da via e seguiu", relatou uma testemunha, acrescentando que, posteriormente, a polícia encontrou o carro com os dois homens, escutando som alto, na Praça do Centro Cívico.
A polícia informou que o passageiro estava sem a documentação. O condutor fez o teste do etilômetro, conhecido como 'bafômetro', e ficou constatado 1,47 miligrama de álcool por litro de ar, conforme os policiais. Várias latinhas de cerveja e uma garrafa de whisky foram encontradas no veículo. Após consulta ao sistema, a polícia detalhou que o veículo estava no nome do cabo do exército e estava com a documentação regular.
Os dois foram detidos e encaminhados ao 5º Distrito Policial, onde o delegado responsável deverá autuar o condutor em flagrante por embriaguez ao volante e direção perigosa, e arbitrar uma fiança de 8 a 10 salários mínimos. A Polícia Militar destacou que caso o suspeito não pague a fiança, poderá ser conduzido à Penitenciária Agrícola de Boa Vista.
Em nota ao G1, o Comando de Fronteira do Estado de Roraima 7º BIS informou que caso o militar seja detido, ele ficará preso no quartel. Ainda segundo o Comando, se constatado a embriaguez ao voltante ele cumprirá medidas disciplinares previstas pelo Regimento do Exército.

Justiça condena ex-militares que desviavam munições do Exército.

Quadrilha repassava o material para ladrões de caixas eletrônicos da região.
Penas variam de 9 a 13 anos de reclusão, segundo o Ministério Público.
Munições exclusivas do exército desviadas pelos ex-militares de Campinas (SP) (Foto: Reprodução/ EPTV)
Munições exclusivas do Exército desviadas pelos ex-militares de Campinas (Foto: Reprodução/ EPTV)
Do G1 Campinas e Região
O Ministério Público de São Paulo divulgou nesta quarta-feira (25) que dois ex-militares de Campinas (SP) foram condenados pela Justiça. Eles são acusados de integrar uma quadrilha especializada em desviar armas, acessórios e munições das Forças Armadas e fornecer os equipamentos para ladrões de caixas eletrônicos e traficantes de drogas da região. A pena do ex-sargento é de 13 anos de prisão e a do ex-soldado, 9 anos. No entanto, a decisão ainda cabe recurso.
A denúncia foi feita em março de 2014 pelos promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da Promotoria de Justiça de Campinas, após investigações realizadas pelo MP em conjunto com o Departamento de Investigação sobre o Crime Organizado (Deic) da Polícia Civil.
Leia também:
Sargento do Exército vendeu para o PCC munição desviada da operação no Alemão
Mensagens de texto
Mensagens enviadas pelo ex-sargento de Campinas (SP) (Foto: Reprodução/ EPTV)Na época, o sargento Ivan Carlos da Silva e o soldado Geraldo Júnior Rangel dos Santos eram militares do 28º Batalhão de Infantaria Leve em Campinas. Depois da prisão, os dois foram expulsos. A quadrilha desviou mais de 700 munições de calibre 7.62 mm, de uso exclusivo do Exército, além de armas e explosivos. O ex-sargento mandava mensagens de texto pelo celular durante as negociações. As ligações foram interceptadas com autorização da Justiça.
Segundo o MP, o esquema começou a ser desvendado com a prisão em flagrante de um dos acusados, em fevereiro de 2013, quando ele se preparava para explodir caixas eletrônicos. Ele e outro denunciado negociavam com os dois integrantes do Exército a compra de armas, munições e artefatos explosivos pertencentes às Forças Armadas.
Mais prisões
Além dos ex-militares, dois ladrões de bancos foram condenados a 12 e 10 anos de prisão. O ex-soldado conseguiu um habeas corpus e pode responder em liberdade. Os outros envolvidos não têm esse direito.
O advogado Samuel Pacheco, que representa o ex-soldado, disse vai recorrer. Já o representante do ex-sargento não foi encontrado para falar sobre o caso.
G1/montedo.com

Dez mulheres no contingente brasileiro da Minustah.

A tenente-coronel Maria das Graças Andrade de Jesus (esquerda) e a tenente Paola de Carvalho Andrade estão entre as 10 oficiais que participarão do 22º Contingente do Brasil na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti . (MINUSTAH). [Foto: PH Freitas]
Eduardo Szklarz
Mais de 200 militares brasileiras já serviram na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH). Atualmente, outras 10 se preparam para serem enviadas ao país caribenho em maio, quando participarão o 22º Contingente do Brasil na missão de paz.
Uma dessas oficiais, a tenente-coronel Maria das Graças Andrade de Jesus, é uma advogada que dará assessoria jurídica ao 22º Contingente do Batalhão de Infantaria de Força de Paz (BRABAT 22).
“Representar o Brasil em Missão de Paz é motivo de orgulho para todo militar”, diz a tenente-coronel Maria das Graças. “O lema do BRABAT 22 será ‘Tudo por um ideal’, na certeza de que os desafios serão constantes, mas que para vencê-los empregaremos os nossos mais nobres esforços com coragem, perseverança e fé.”
Atualmente, o Brasil tem 14 mulheres no BRABAT, quatro no BRAENGCOY e uma Grupamento de Fuzileiros Navais, segundo o Ministério da Defesa.
Outra oficial, a tenente Paola de Carvalho Andrade, é uma jornalista que trabalhará no Setor de Comunicação Social (G10) do 22º Contingente da Companhia de Engenharia de Força de Paz (BRAENGCOY). Esta é sua segunda passagem no contingente brasileiro na MINUSTAH. A primeiro foi em 2007-2008, quando ela foi um membro do BRABAT 8.
“É inegável a grande motivação de participar de uma Operação de Paz, representando o meu país”, diz Maria das Graças. “Participar do BRABAT 8 foi uma experiência extremamente gratificante, pois o batalhão brasileiro é respeitado e admirado pela população haitiana e pelos contingentes dos demais países que integram a missão.”
Além da função de assessora jurídica, ela integrou as ações de Cooperação Civil-Militar (CIMIC), incluindo a distribuição de alimentos, brinquedos e orientações médico-sanitárias desenvolvidas pelo batalhão.
“A experiência no Haiti superou as minhas expectativas. Acredito que tenha sido o ápice da minha carreira como advogada e oficial”, diz ela. “Tive a oportunidade de liderar e ser liderada, aprender e ensinar, rever conceitos e valores, trocar experiências, enfim, de crescer profissionalmente e como ser humano.”
O que mais chamou sua atenção durante a primeira missão foi a oportunidade de interagir com pessoas de diferentes países e culturas. “Dessa forma, conseguimos proporcionar à população haitiana melhor condição de vida e segurança.”
Agora, a tenente-coronel Maria das Graças também fornecerá assessoria jurídica ao comando do batalhão, orientando e supervisionando a condução e regularidade dos procedimentos investigativos a cargo do contingente, propondo medidas de treinamento preventivo para as tropas, elaborando recomendações e executando outras missões definidas pelo comandante do BRABAT 22.

Missão ajuda haitianos a caminhar com suas próprias pernas
Segundo a tenente Paola, as missões de paz aumentam a consciência dos desafios enfrentados por outros povos.
“Os problemas de países como Haiti, Timor Leste e Sudão são problemas de todos. Quando um ser humano é desrespeitado, todos são”, diz ela. “A MINUSTAH e outras missões são uma esperança de resgate de dignidade, autonomia e respeito. Isso é motivante.”
Durante a missão, ela vai fornecer informações para os canais de comunicação do Ministério da Defesa e das Forças Armadas. Também servirá de elo para os que desejam conhecer o BRAENGCOY, incluindo órgãos de imprensa, organizações militares ou membros da sociedade civil brasileira ou internacional.
“O G10 funciona como uma assessoria de comunicação, sendo que a tarefa mais interessante é a de contribuir para manter o moral da tropa”, afirma.
A principal expectativa é que o Haiti seja capaz de restabelecer suas estruturas como estado e que suas instituições recomecem as operações, diz a tenente Paola.
“A MINUSTAH não resolverá os problemas dos haitianos, mas poderá minimizá-los, dando ferramentas e segurança para que eles se organizem e assumam seus rumos”, diz. “Ao longo desses 11 anos de missão, obtivemos o respeito da ONU e da população haitiana. Isso fortalece a imagem do Brasil, mas sobretudo fortalece a nossa identidade e a consciência de que podemos fazer – e fazer bem.”

Preparação intensa
O treinamento ao qual as duas mulheres se submeteram é o mesmo do resto dos membros da missão.
“Recebemos treinamentos diversos. Alguns são direcionados a todos os militares do Contingente e outros são específicos por área de atuação”, explica a tenente Paola.
A primeira fase de preparo é descentralizada. As militares recebem informações sobre a missão e as peculiaridades do Haiti, além de instruções de tiro, saúde e direitos humanos. Depois, elas realizam atividades específicas, como o Estágio de Comunicação Social, Estágio de Preparação para o Estado-Maior e os Cursos para Intérpretes.
“Além de promover a reciclagem dos militares, esses estágios os colocam em contato com a experiência de quem já esteve em missões anteriores”, diz a tenente Paola. “Por fim, é feito o preparo centralizado: durante um mês, os militares participam de treinamentos que simulam situações reais. Realizam tarefas e são submetidos às pressões que encontrarão no Haiti.”
O 22º Contingente do Brasil da missão humanitária deve permanecer no Haiti por seis meses, mas sua permanência poderá ser estendida pela ONU.
DefesaNet/montedo.com

Cem 'severinos' combaterão a dengue no DF.

Governo do DF receberá ajuda de cem militares para combater à dengue e à chikungunya
Homens do Exército vão passar por treinamento para realizar força-tarefa no DF

O GDF (Governo do Distrito Federal) anunciou nesta terça-feira (24) que vai receber ajuda de cem militares do Exército para combater à dengue e à febre chikungunya. A primeira reunião aconteceu nesta segunda-feira (23), quando ficou definido que, de 3 a 6 de março, a equipe será treinada por servidores da Diretoria de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde.
O chefe da Assessoria de Mobilização Institucional e Social para Prevenção à Dengue, Ailton Domicio, disse que, assim que a capacitação terminar, os militares reforçarão os atuais grupos de força-tarefa.
— Temos atualmente sete equipes e, com a entrada dos homens do Exército, serão 17. Esse apoio nos permitirá atuar em mais de uma cidade simultaneamente.
Leia também:
'Severinos': Exército define na próxima semana efetivo que combaterá dengue no DF.
As atividades deste ano da força-tarefa começaram em Planaltina, região do Distrito Federal, no bairro Arapoanga. De 9 a 12 de fevereiro e de 19 a 23 do mesmo mês, foram inspecionados 4.985 imóveis. Desses, 197 precisaram de tratamento com larvicida, produto utilizado para matar a larva dos mosquitos transmissores. Além disso, 30 agentes comunitários da região administrativa estão ajudando no trabalho de mobilização.
— Essas equipes ficarão em Planaltina até que o trabalho seja finalizado. Não existe um calendário das próximas cidades a receberem a visita porque tudo dependerá da necessidade e urgência de cada região administrativa.
R7/montedo.com

Exército monta ponte provisória em bairro de Manaus.

Exército montou ponte provisória no lugar da ponte do Tarumã, Zona Oeste
Cerca de 50 homens do 6º Batalhão de Engenharia e Construção (6º BEC) do Exército trabalharam na montagem da estrutura
A obra provisória consiste na montagem de vigas metálicas, que ao serem encaixadas, darão suporte ao assoalho de madeira (Evandro Seixas)
OSWALDO NETO
Manaus (AM) - Soldados do Exército iniciaram nesta terça-feira (24) a construção de uma estrutura provisória no lugar da Ponte do Tarumã, na Zona Oeste, que desabou no dia 18 deste mês e interrompeu o fluxo de veículos na área. A ponte tem 14 metros e o trânsito deve ser liberado no local nesta quinta-feira (26).
Cerca de 50 homens do 6º Batalhão de Engenharia e Construção (6º BEC) do Exército trabalharam na montagem da estrutura,  na manhã desta quarta-feira (25). A obra provisória consiste na montagem de vigas metálicas, que ao serem encaixadas, darão suporte ao assoalho de madeira. Apesar disso, só será permida na construção a passagem de veículos de passeio.
A opção foi tomada pela Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra). A titular da pasta, Waldívia Alencar, adiantou sobre a possibilidade da ponte temporária semana passada. “As pontes utilizadas pelo Exército Brasileiro têm 14 metros de extensão e ficaria no local até a construção da ponte definitiva, que também será duplicada”, disse na ocasião. Não há informações sobre o início das obras da ponte definitiva.

Estrutura
Na semana passada, técnicos da Seinfra e da Construtora Etam, responsável pela obra, iniciaram a demolição e retirada de entulhos do local. Com mais de 20 anos de existência e construída sobre uma estrutura em gabião, a Ponte do Tarumã não resistiu à força das águas pluviais e cedeu, obrigando sua total interdição.
A duplicação da Estrada do Tarumã e a construção de uma ponte inteiramente nova estão previstos na construção do Anel Viário Sul, dentro do Projeto Amazonas 2020, que prevê intervenções viárias de grande porte em Manaus.
a crítica/montedo.com

Tenente do Exército morre em acidente com forrageira no Piauí.

Tenente do exército morre após acidente com forrageira em Boqueirão do Piauí


Antônio (esq.) teve o abdômen pefurado (Arquivo)

Romário Antunes

Boqueirão do Piauí (PI) - Morreu na tarde da última segunda feira (23), o Tenente aposentado Antonio Reinaldo Neto, de 72 anos, em sua residência, localizada no Povoado Lago, Zona Rural de Boqueirão do Piauí. Antonio Reinaldo morreu após ser atingido por uma peça que se soltou da forrageira, na qual ele produzia ração para animais.
Antonio Reinaldo morreu ao ser atingido e teve morte imediata, já que que seu abdômen foi perfurado violentamente pelo objeto  que soltou-se da máquina. Seu corpo ainda chegou a ser transferido para o HRCM para ser periciado.
meionorte.com/montedo.com

25 de fevereiro de 2015

Militar perde o controle e colide carro contra poste em frente a batalhão do Exército.

Motorista bate e derruba poste na avenida São Jorge, em Manaus
Acidente ocorreu em frente ao batalhão do 1º BIS, Zona Oeste. Poste quebrou na base e só não caiu totalmente na via porque ficou suspenso pela fiação elétrica
Manaus (AM) - Um motorista perdeu o controle da direção do veículo, colidiu e derrubou um poste de energia elétrica no início da tarde desta quarta-feira (25) na avenida São Jorge, bairro São Jorge, no sentido Centro/bairro, na Zona Oeste de Manaus, em frente ao 1º Batalhão de Infantaria de Selva (Bis).
O condutor não foi identificado pela reportagem, mas seria um militar que trabalha em uma unidade do Exército Brasileiro naquela região - o que será confirmado. O veículo, um Ford Fiesta Sedan de cor preta e placas JXR-3524, teve danos materiais, e ninguém ficou ferido.
Após a colisão, o poste quebrou na base e só não caiu totalmente na via porque ficou suspenso pelos fios de energia elétrica. Segundo o Manaustrans, apenas uma faixa naquele sentido da via ficou interditada e os veículos trafegavam passando debaixo do poste derrubado e suspenso.
Acionados, agentes da Eletrobrás Amazonas Energia foram ao local para retirar e trocar o poste e a fiação. A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do órgão, que ficou de responder se houve interrupção no fornecimento de energia naquela área devido a situação.
acrítica/montedo.com

Irã destrói porta-aviões americano . Só que não.

Irã destrói réplica de navio americano em exercício militar
Ataque com míssil e lanchas ocorreu durante exercícios aéreos e navais.
Guarda Revolucionária fez testes no Estreito de Ormuz.
Réplica de porta-aviões dos EUA foi atingida por míssil em exercício militar realizado pela Guarda Revolucionária do Irã nesta quarta-feira (25) (Foto: Iran TV/AP)
Réplica de porta-aviões dos EUA foi atingida por míssil em exercício militar realizado pela Guarda Revolucionária do Irã nesta quarta-feira (25) (Foto: Iran TV/AP)
A Guarda Revolucionária do Irã realizou nesta quarta-feira (25) exercícios aéreos e navais de larga escala nas águas estratégicas no Golfo, nos quais dezenas de lanchas invadiram uma réplica de um porta-aviões dos Estados Unidos, que também foi atingido por um míssil.
O exercício, chamado de Grande Profeta 9, foi realizado no Estreito de Ormuz, através do qual um quinto do petróleo do mundo transita.
Imagens da TV estatal mostraram mísseis disparados da costa e as lanchas atingindo a réplica do navio americano. O exercício, que também incluiu a derrubada de um drone e a colocação de minas no mar, foi o primeiro a envolver a réplica de um porta-aviões dos EUA.
Rastro do míssil é visto no momento em que a réplica de um porta-aviões americano é destruído em exercício militar no Irã (Foto: AP/Iran TV)
Rastro do míssil é visto no momento em que a réplica de um porta-aviões americano é destruída em exercício militar no Irã (Foto: AP/Iran TV)
“Os porta-aviões norte-americanos são grandes depósitos de munição, abrigando muitos mísseis, foguetes, torpedos e todo o resto”, disse o chefe da Marinha da Guarda, almirante Ali Fadavi, à TV local. No mês passado, ele afirmou que sua Guarda é capaz de afundar um navio do tipo no caso de uma Guerra.
O chefe da Guarda Revolucionária, general Mohammad Ali Jafari, disse que o exercício manda uma mensagem do Irã aos poderes extraterritoriais, uma referência aos EUA
Imagem de perto mostra estragos causados à réplica de navio americano após ataque com míssil em treinamento perto do Estreito de Hormuz, no Irã (Foto: AP/Iran TV)
Imagem de perto mostra estragos causados à réplica de navio americano após ataque com míssil em treinamento perto do Estreito de Hormuz, no Irã (Foto: AP/Iran TV)
.
Um porta-voz do batalhão da marinha americana no Bahrein disse que os exercícios iranianos começaram há alguns dias, mas não afetaram a circulação marítima local. Kevin Stephens disse que os Americanos estão monitorando os testes e não estão preocupados. “Somos bastante confiantes da habilidade de nossas forças navais de se defenderem”, afirmou.
G1/montedo.com

A vingança do dentista.

Tarda, mas não falha (parte 2) 
O dentista que vingou o exército dos EUA em grande estilo

Júlia Matravolgyi 
Não se engane pela carinha de
bom moço de Ben Solomon
Apenas três anos depois de começar a carreira como dentista, Benjamin L. Salomon precisou mudar seus planos: fora convocado a se alistar no exército dos Estados Unidos. Sempre trabalhando com higiene bucal, ele chegou ao posto de Capitão – até esse momento, a coisa mais terrível que Salomon já tinha feito era um tratamento de canal.
Mas seu destino estava prestes a mudar (de novo!) e o dentista foi enviado à batalha de Saipan, na qual os Estados Unidos disputavam com o Japão o controle sobre as Ilhas Marianas, no Oceano Pacífico. Lá, ele trabalhava de maneira improvisada como cirurgião do regimento.
Enquanto o dentista/cirurgião cuidava dos feridos, foi surpreendido por uma invasão japonesa na tenda em que trabalhava. Quatro soldados inimigos entraram no local e atingiram um soldado que o dentista acabara de salvar – ao ver seu trabalho “arruinado”, Ben não pensou duas vezes e libertou toda a raiva que guardara até então.
É ai que começa uma sequência para Rambo nenhum botar defeito: Solomon atirou em dois soldados, chutou a faca que estava na mão do terceiro e deu uma cabeçada no quarto, que caiu desmaiado. Em seguida, ordenou que todos os feridos fossem retirados na barraca. Mas, como os soldados que estavam com ele não tinham munição para dar-lhe cobertura, Salomon pegou uma metralhadora e providenciou cobertura ele mesmo, para a surpresa de todos os feridos.
Leia também:
Tarda, mas não falha: A história da princesa que levou a vingança muito a sério
Enquanto aqueles que se recuperavam de ferimentos escapavam do local, a visão que tinham era a de um dentista até então inofensivo, usando óculos, completamente sozinho, eliminando um exército de inimigos que avançava sobre ele – isso tudo usando apenas uma metralhadora. Quando os soldados dos EUA retornaram para reconquistar a tenda, no dia seguinte, encontraram Benjamin Solomon sem vida.
Ah, só um detalhe: também encontraram mais de 100 soldados japoneses mortos no local.
Salomon fora alvejado mais de 70 vezes, muitas das quais foram apenas de raspão. E você ai pensando que seria fácil derrubar um dentista!
Ele ganhou uma medalha de honra póstuma do governo norte-americano, pelo simples fato de ter vencido dois batalhões inteiros de soldados inimigos, completamente sozinho.
Fonte: Cracked
Super Interessante/montedo.com

Duas pessoas morreram e três militares ficaram feridos em confronto na Maré, diz Exército.

Troca de tiros aconteceu de madrugada depois de manifestação fechar Linha Amarela
Manifestantes bloquearam pistas da Linha Amarela na altura da Vila do João na noite de segunda-feira
(Foto da leitora Alcineia Silva / Eu-Repórter)
ANTÔNIO WERNECK
RIO - No mesmo dia em que o governador Luiz Fernando Pezão revelou que a Polícia Militar assumirá o policiamento da Maré em julho, substituindo militares das Forças Armadas, o Exército informou na tarde desta terça-feira que duas pessoas morreram e três militares ficaram feridos, dois deles atingidos de raspão, no mais violento confronto do ano envolvendo a Força de Pacificação e traficantes no Complexo da Maré. A intensa troca de tiros aconteceu depois de uma manifestação que começou pacífica na noite de segunda-feira e terminou na madrugada desta terça com violência, o fechamento da Linha Amarela e fogo em pneus, lixeiras e em um veículo.
A Polícia Militar vai entrar na comunidade até o fim de junho, para a instalação de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), com a presença de dois mil homens.
Segundo o coronel Costa Neto, chefe da assessoria da Força de Pacificação da Maré, militares que estavam em patrulhamento no interior da Maré foram surpreendidos por um grupo de homens que estavam em motocicletas e atiraram contra a tropa. Houve reação e troca de tiros. Três militares ficaram feridos: um atingido por estilhaços e dois de raspão. Dois homens ainda não identificados foram baleados e socorridos para hospitais da região por populares.
— Dois homens foram alvejados, socorridos, mas morreram no hospital — disse o coronel.
O Exército revelou que a manifestação começou por volta das 19h de segunda-feira, com cerca de cem pessoas e, em princípio, tinha por objetivo protestar contra a política de pacificação. Segundo o coronel, o protesto prosseguiu, pacificamente, por aproximadamente duas horas:
— No entanto, após grande parte da população retornar aos seus lares, a situação evoluiu e, a partir das 21h30m baderneiros e apops (agentes perturbadores da Ordem Pública) na Linha Amarela começaram a enfrentar a Polícia de Vias Especiais e militares da Força de Pacificação, realizando disparos contra as tropas, lançando pedras e rojões.
A Força de Pacificação atua desde abril de 2014, em regime de dedicação exclusiva, para garantir a lei e a ordem (GLO) nas comunidades do Complexo da Maré. Ao todo são cerca de três mil homens: 2.450 do Exército, 570 da Marinha e 200 PMs.
O Globo/montedo.com

Pezão garante que Exército ficará no Complexo da Maré até o final de junho.

Governador participou na manhã desta terça-feira, num hotel da Zona Sul, da abertura da 8ª visita da Comissão do COI
HELIO ALMEIDA
Rio - O governador Luiz Fernando Pezão reafirmou na manhã desta terça-feira que a Força de Pacificação ficará no Complexo da Maré até o final de junho, para a entrada da Polícia Militar na comunidade. O Exército está na comunidade da Zona Norte há quase um ano e, neste período, já foi adiada diversas vezes a retirada dos militares da região.
"Não tem mais como adiar (a saída da Força de Pacificação da Maré). O Exército tem que estar na fronteira e a PM vai entrar na Maré no final de junho. Hoje vou conversar com o comandante do Exército e com o Beltrame (secretário de Segurança) para que a gente possa ver como vai ser feita essa transição", disse o governador, durante a abertura da 8ª visita da Comissão de Coordenação do Comitê Olímpico Internacional (COI), num hotel em Copacabana.
No final da tarde de segunda-feira, moradores da Maré realizaram um protesto, fechando a Linha Amarela, contra os últimos episódios de violência ocorridos na comunidade. Mais cedo, um adolescente havia sido ferido de raspão durante um tiroteio. E no último sábado, uma van com cinco passageiros foi alvejada após o motorista não parar em uma blitz do Batalhão de Policiamento em Vias Especiais (BPVE). Pezão disse que apoia a manifestação feita pela população da Maré.
"É valida a manifestação, desde que não feche toda a via e que ocupe algumas faixas. O que não pode é fechar toda a via", afirma.
Sobre as Olimpíadas de 2016, o governador, que participou do evento ao lado do prefeito Eduardo Paes e do presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, se mostrou animado com o andamento das obras, mesmo reconhecendo que pode haver atraso na entrega de alguns projetos. "As obras estão em andamento e serão entregues no prazo. Se atrasar vai ser pouco, mas não vai interferir nos Jogos", finaliza.
O Dia/montedo.com

Indonésia reconsidera compra de aviões Embraer por tensão sobre execuções.

Photo
Aviões de combate Super Tucano da Força Aéra da Colômbia em 
voo de demonstração. REUTERS/John Vizcaino



Randy Fabi
JACARTA - A Indonésia está reconsiderando a compra de aviões militares e lança-foguetes do Brasil, em meio a uma tensão entre os dois países sobre a execução de brasileiros por tráfico de drogas, disse o vice-presidente indonésio, Jusuf Kalla, de acordo com o jornal Jakarta Post.
Os dois países chamaram de volta seus embaixadores para consultas em uma disputa que começou quando a Indonésia executou o cidadão brasileiro Marco Archer e outras cinco pessoas de diferentes países, no mês passado.
Um outro brasileiro, Rodrigo Gularte, está em um segundo grupo de 11 presos que aguardam para serem executados em breve na Indonésia, país que tem uma das leis mais rígidas do mundo contra o tráfico de drogas.
Kalla afirmou que o governo indonésio está reconsiderando a compra de 16 aviões EMB-314 Super Tucano fabricados pela Embraer para a Força Aérea do país, de acordo com o jornal.
Procurada, a Embraer não comentou o assunto.
A companhia já entregou 8 dos 16 aviões pedidos pela Indonésia, cumprindo uma encomenda acertada em 2010 que foi ampliada em 2012.
As ações da companhia estavam entre as principais quedas do Ibovespa nesta tarde, com recuo de mais de 2,5 por cento às 16h03, enquanto o principal índice da bolsa paulista subia 0,72 por cento.
O país do Sudeste Asiático também considera cancelar uma encomenda por sistemas de lançadores múltiplos de foguetes.
O Brasil chamou de volta o embaixador na Indonésia pouco após a execução de Archer.
Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff cancelou, de última hora, o recebimento da credencial diplomática do novo embaixador da Indonésia, o que levou Jacarta a chamá-lo de volta em protesto.
O presidente da Indonésia, Joko Widodo, que tomou posse em outubro, prometeu não ter clemência com condenados por tráfico de drogas, apesar de ter recebido telefonemas de líderes mundiais, incluindo Dilma, pedindo pelo perdão de pessoas no corredor da morte.
Reuters/montedo.com

Arquivo do blog

Real Time Web Analytics