8 de fevereiro de 2016

Brothers In Arms


Música: Brothers In Arms
Banda: Dire Straits
Cenas: Band Of Brothers
Curta Milico Ponderão
Visite www.milicoponderao.com
Publicado por Milico Ponderão 

Profissão, Militar. Porque vale a pena: militares do Exército resgatam idoso perdido há 4 dias na selva amazônica

Operação Resgate – Militares do 54º BIS resgatam ribeirinho desaparecido
GBS2
Humaitá (AM) - Em pleno período de carnaval, militares do grupo de busca e salvamento do 54º Batalhão de Infantaria de Selva, liderados pelo 2º Ten Áustria, saiu às 06h00 de sábado (06) em missão de busca e resgate do senhor Benedito (77), habitante local de uma comunidade ribeirinha às margens do rio Madeira, perdido na selva há 4 (quatro) dias. 
GBS9
As buscas começaram de sua casa, que dista a quase duas horas de marcha do local do desembarque. Por volta das 15h30min o Sr. Benedito foi encontrado pelos militares do 54º Batalhão de Infantaria de Selva à beira do “Lago das três casas” bastante debilitado, e após avaliação inicial e primeiros socorros, foi conduzido de voadeira até a cidade de Humaitá-AM, onde já havia uma viatura ambulância aguardando para levá-lo ao hospital.
cats
acriticadehumaita/montedo.com

Pai de cabo da Marinha morta em assalto no Rio vai processar o Estado

Enterro da militar Monique Nascimento no Cemitério de Raiz da Serra, em Magé. Cerimônia teve honras militares
Cíntia Cruz e Fabiano Rocha
A família da cabo da Marinha Monique Santanna dos Santos Nascimento, de 23 anos, morta numa tentativa de assalto, na noite desta quinta-feira, em Cascadura, Zona Norte do Rio, vai processar o Estado. O pai da vítima, Osanildo Magal, disse que tomou a decisão porque atribui às autoridades a falta de segurança na cidade:
— Temos o direito de ir e vir, mas não temos condições de exercer porque a criminalidade está acima de tudo. Eles têm o direito de andar armado e tirar uma vida por dinheiro. Então o Estado é responsável.
O corpo da militar foi sepultado na manhã deste sábado no Cemitério de Raiz da Serra, em Piabetá, Magé, Baixada Fluminense. Cerca de 200 pessoas foram se despedir da jovem, que foi enterrada com honras militares.
— Ela era uma guerreira, que sempre teve foco na vida. Mesmo sendo a caçula, sempre me dava conselhos — disse a irmã mais velha de Monique, Natália Santanna dos Santos Nascimento, de 30 anos.
Monique estava em casa, na noite da última quinta-feira, quando dois bandidos armados abordaram um grupo de amigas dela que colocavam as malas no carro —- elas viajariam para Cabo Frio, na Região dos Lagos, onde passariam o carnaval. Atraída pelo barulho, a garota saiu de casa e foi até o portão. Ao abri-lo, fez um barulho que chamou a atenção dos criminosos. Foi quando um deles atirou e a acertou no peito.
Depois de ferida, a jovem ainda foi levada para o Hospital municipal Salgado Filho, no Méier, também na Zona Norte, mas não resistiu ao ferimento. As amigas da jovem não se machucaram. Os dois bandidos fugiram.
As investigações do caso ficarão a cargo da Divisão de Homicídios (DH). A assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que, de acordo com o delegado Fábio Cardoso, titular da unidade, “um inquérito foi instaurado para apurar as circunstâncias da morte de Monique Santanna dos Santos Nascimento. Foi realizada pericia no local e testemunhas estão sendo ouvidas. Diligências estão sendo realizadas em busca de informações que ajudem nas investigações".
EXTRA/montedo.com

Da série: 'Morro e não vejo tudo!"

Nova Iguaçu (RJ), 5/2: soldado paraquedista pronto para a folia

Disciplina. Honra. Respeito.


Discipline.Honor.Respect.This is the 3d U.S. Infantry Regiment (The Old Guard)(U.S. Army video by Staff Sgt....
Publicado por Soldiers magazine em Sábado, 6 de fevereiro de 2016

7 de fevereiro de 2016

Rotina macabra: em uma semana, três militares das Forças Armadas morreram baleados no RJ

A semana que passou foi pontuada por três notícias trágicas envolvendo militares das Forças Armadas, todos jovens, moradores da Zona Norte da capital carioca e mortos de forma violenta.
Mortes trágicas: Magno, Monique e Jorge Fernando

Execução
Na noite do último domingo (31), Jorge Fernando de Souza (24 anos) foi executado de forma bárbara por traficantes do Complexo do Chapadão, em Costa Barros, Zona Norte do Rio. O cabo, que foi Praça Mais Distina do 25º Batalhão Logístico (Escola) em 2010, morreu com mais de 60 tiros, após se recusar a transportar traficantes, enquanto fazia 'bico' como motorista do Huber. Ele foi assassinado junto com o colega de trabalho e ex-paraquedista Cleiton Felipe Massena. Um terceiro motorista conseguiu escapar da morte, escondendo-se em uma rede de esgotos. Evidências indicam que os corpos de Jorge e Felipe foram queimados no alto do morro, num local ironicamente conhecido como 'Final Feliz'.

Assalto
Ao anoitecer da quinta-feira (4), a cabo da Marinha Monique Santanna dos Santos Nascimento (23 anos), preparava-se para curtir o carnaval com amigas em Cabo Frio, na região dos Lagos. Ela estava 
em sua casa em Cascadura, na Zona Norte, quando dois bandidos armados abordaram o grupo de amigas, que colocavam as malas no carro. Atraída pelo barulho, Monique saiu da casa e abriu o portão. O barulho assustou os criminosos. Um deles atirou e a acertou no peito. A jovem foi encaminhada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

Bala perdida
Por fim, na madrugade deste domingo (7), o soldado paraquedista do Exército Magno da Silva (21 anos) morreu vítima de uma bala perdida em Quintino, também na Zona Norte, quando participava de um desfile de 'bate-bola', tipo de grupo tradicional do carnaval carioca. Segundo testemunhas, houve uma briga no local e pelo menos uma pessoa que não participava do desfile atirou para o alto algumas vezes. Magno foi ferido no abdômen e morreu no hospital.
Segundo a polícia, os disparos podem ter sido feitos por milicianos que atuam no local.
Com informações de O Globo, O DIA, e EXTRA



Carnaval: soldado do Exército morre vítima de bala perdida no RJ

Paraquedista do Exército morre ao ser baleado durante carnaval em Quintino
Vítima estava fantasiado de bate bola quando foi atingido. Testemunhas contaram que houve disparos para o alto no local

RIO — O que era para ser uma festa animada de carnaval terminou ganhando contornos violentos no início madrugada deste domingo, em Quintino, na Zona Norte do Rio. O paraquedista do Exército Magno da Silva, de 21 anos, foi morto ao ser atingido por pelo menos uma bala perdida durante uma saída de bate bola, que ocorria na esquina das ruas Cupertino com Clarimundo de Melo. De acordo com amigos, houve uma briga no local e pelo menos uma pessoa que não participava do desfile atirou para o alto algumas vezes. Momentos depois, a vítima estava ferida no chão, na região do abdômen.
Ele chegou a ser levado para o Hospital municipal Salgado Filho, no Méier, também na Zona Norte, mas não resistiu aos ferimentos. De acordo com a PM, os disparos podem ter sido realizados por milicianos que atuam na região.
— Estava todo mundo confraternizando. De repente, rolou uma briga não sei por qual motivo, alguém puxou uma arma e atirou para o alto. Foram uns cinco disparos. Depois teve uma outra confusão e outros três disparos foram ouvidos. Então, vimos nosso amigo (que estava fantasiado) baleado e dizendo "tomei um tiro" — relatou um amigo da vítima, que não se identificou. — É revoltante, um absurdo! Não temos segurança. O cidadão de bem não tem como se defender.
No tiroteio, testemunhas contaram que muitas pessoas circulavam pelo local. Houve bastante tumulto e correria. Durante a madrugada deste domingo, amigos e familiares estiverem no hospital, onde a vítima foi socorrida. Eles relataram que chegaram a fazer uma oração, antes de a morte do jovem ter sido confirmada. Magno estava prestes a ser pai — a namorada dele estava grávida de nove meses. O tio do rapaz também estava próximo ao local da ação.
— Vi que tinha um bate bola no chão. Quando fui ver era o meu sobrinho. Ele falou "tio, tomei um tiro" — conta ele, que pediu para não ser identificado.
Emocionado, o tio contou ainda que o sobrinho era muito querido na vizinhança e que gostava muito do trabalho que exercia no Exército.
— Menino nunca brigou com ninguém, todos gostavam dele. Saía de bate bola desde pequeno. Moleque bom, que falava muito bem do trabalho, com orgulho, sempre muito entusiasmado. Todos ficamos muito tristes.
Agentes da Delegacia de Homicídios (DH) da capital estiveram no hospital durante a madrugada. Os policiais da especializada também foram ao local do crime para realizar a perícia.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics